Apresentação Folclórica Internacional: Vohon Ukrainian Dance Ensemble – Canadá

Apresentação Folclórica Internacional em União da Vitória-PR:

Vohón Ukrainian Dance Ensemble - Canadá. www.vohon.ca

Incluindo a programação especial da Festa do Padroeiro São Basílio Magno e Ordenação Sacerdotal de Daniel Horodeski, a comunidade ucraniana de União da Vitória recebe uma atração internacional dia 13 de Agosto, no Cine Teatro Luz: o Conjunto de Danças Ucranianas Vohón, do Canadá. O grupo é considerado o grande embaixador da Comunidade Ucraniana de Edmonton (Canadá), já tendo se apresentado nos Estados Unidos, Austrália, Alemanha, Escócia, Tailândia, China e este ano realiza sua primeira turnê pelo Brasil, visitando diversas cidades, incluindo União da Vitória e Porto União. Contando com 51 integrantes, o grupo realizará um grande espetáculo de danças folclóricas ucranianas, sendo uma ótima oportunidade para prestigiarmos uma atração internacional em nossas cidades.

Serviço:

Apresentação de Danças Ucranianas: Grupo Vohón do Canadá

Local: Cine Teatro Luz Data: 13/08/10 (sexta-feira)

Horário: 20h00

Informações: 3553 2975 / 8401 2975 – Vilson.

“RÁZ, DVÁ, TRY: Os passos da Ucrânia” é um dos finalistas do prêmio Sangue Novo

O documentário “RÁZ, DVÁ, TRY: Os passos da Ucrânia”, produzido por Katna Baran e Louise Possobon, é um dos finalistas do Prêmio Sangue Novo do Jornalismo Paranaense, promovido pelo Sindicato de Jornalistas do Paraná. O Prêmio tem como objetivo incentivar e reconhecer o trabalho de futuros jornalistas. Na categoria videodocumentário, foram recebidos 24 trabalhos de todo Paraná e apenas quatro estão na final.

O filme mostra a beleza da dança folclórica ucraniana e conta com a participação do Grupo Folclórico Ucraniano Vesselka, de Prudentópolis-PR, do Grupo Folclórico Ucraniano Spomen, de Mallet-PR, e do Folclore Ucraniano Barvinok, de Curitiba-PR. O documentário destaca ainda a importância da preservação das tradições para descendentes e simpatizantes da cultura ucraniana.

A premiação do Sangue Novo é aberta ao público e ocorrerá na próxima quinta-feira (27/05), às 19h30, no Memorial de Curitiba que fica na Rua Claudino dos Santos, Setor Histórico do Largo da Ordem.


Katna Baran
| Comunicação |
41 8841-5798

Oficina de Pêssanka – Artesanato Ucraniano em Ovos: Comunidade Ucraniana de Jangada do Sul

Oficina de pêssanka, ministrada por Vilson José Kotviski e Oksana Sliwinski Kotviski

A Comunidade Ucraniana Ortodoxa da Colônia Jangada do Sul (Porto União) recebeu neste fim de semana (06 e 07/03) a primeira oficina do projeto “Pêssanka – Artesanato Ucraniano, Brasileiro, Catarinense”. Contando com participantes de várias faixas etárias, a oficina foi muito produtiva, sendo confeccionadas diversas e belas pêssankas. Segundo a Prof. Alda Paolyck (64), esta oficina é um sonho realizado, pois sempre quis conhecer o processo da confecção da pêssanka, mas nunca havia tido oportunidade. Os jovens da comunidade se mostraram muito interessados e ficaram animados para dar continuidade, principalmente por já contarem com os materiais necessários Inclusive serão programados novos encontros para confecção de pêssankas. O projeto, de autoria de Vilson José Kotviski, é um dos vencedores do Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura (Fundação de Cultura de Santa Catarina), e através do apoio do Pe. Pedro Blachechen e do presidente da comunidade Sr. Antonio Felipe Seroiska, foi possível a concretização desta oficina. Agradecemos à comunidade pela ótima acolhida e pelos momentos felizes que passamos! A próxima oficina acontece nos dias 13 e 14/03 em Caçador-SC.

Vilson José Kotviski – vilson@pessanka.com.br

www.pessanka.com.br

Participantes da oficina - foto ao lado da entrada do salão de festas, com uma bela vista do Rio Jangada.
primeiros resultados da oficina
As gêmeas Milena e Marieli: felicidade estampada no rosto, que sem dúvida ficou refletida nas suas pêssankas!

24 de agosto – dia da comunidade ucraniana no Paraná, Santa Catarina e no Brasil

Agora oficialmente o dia 24 de Agosto é:

– Dia da Comunidade Ucraniana no Paraná
– Dia da Imigração Ucraniana em Santa Catarina
– Dia Nacional da Comunidade Ucraniana
 

 

Projeto de Aguiar cria Dia da Imigração Ucraniana

Imagem

O deputado Antônio Aguiar é o autor do Projeto de Lei nº 442/07, que institui o Dia Estadual da Imigração Ucraniana, a ser comemorado no dia 24 de agosto.

A Mesa Diretora da Assembléia marcará, anualmente, sessão solene para comemoração desta data. O parlamentar informa que os ucranianos começaram a chegar ao Brasil em 1891, trazendo o estilo bizantino de suas igrejas, seus trajes bordados, comidas e danças típicas. Em Santa Catarina os descendentes de eslavos habitam cidades como São Bento do Sul, Mafra e Itaiópolis.

Os ucranianos diferenciam-se de outros povos eslavos pela língua, costumes e origem histórica. A Ucrânia proclamou a sua Independência no dia 24 de Agosto de 1991, daí a sugestão para a data comemorativa no estado. Na sua maioria, os imigrantes ucranianos chegados aqui se dedicaram à agricultura. Experientes cultivadores do trigo, não se restringiram a essa cultura, pois passaram a exercer atividades nos setores do cultivo do milho e feijão, com grande destaque para a fumicultura em Itaiópolis.

Aguiar esclarece que a outra parte, que não se dedicou à agricultura, voltou-se para diversas atividades industriais, destacando-se na fabricação de móveis, em atividades empresariais, em especialidades técnicas e no exercício de profissões liberais. Oriundos de um país rico em tradições artísticas, com um folclore dos mais admirados em toda a Europa, os ucranianos que aqui chegaram não poderiam fugir à herança cultural recebida de seus antepassados.

Fonte: (Rubens Vargas/Divulgação Alesc)

http://www.portaldecanoinhas.com.br/noticias/5003

Lula Sanciona Que Cria o Dia Nacional da Comunidade Ucraniana

De autoria do deputado federal Ângelo Vanhoni, a lei que cria o Dia Nacional da Comunidade Ucraniana foi sancionada no dia 19/01/2010 pelo Presidente Lula. Atendendo a reivindicação da comunidade ucraniana, que em sua grande maioria, vive no Paraná, o projeto de lei institui o dia 24 de agosto como “Dia Nacional da Comunidade Ucraniana”. Foi nesta data que o parlamento ucraniano declarou a Independência da Ucrânia.

 A proposta elaborada pela Representação Central Ucraniana Brasileira foi apresentada pelo Deputado Angelo Vanhoni em 2008. “É pela noção integral de patrimônio cultural, que propus  24 de agosto como o Dia Nacional da Comunidade Ucraniana como data simbólica para reconhecer a expressão cultural destas comunidades que perpassa pelas tradições, códigos e significados do povo ucraniano.” explica Vanhoni. O Brasil abriga hoje a maior comunidade ucraniana da América Latina, contando com aproximadamente 500 mil pessoas, entre ucranianos e descendentes, 75% deles vivendo em sua imensa maioria no estado do Paraná. 

 O projeto de lei  se respalda no § 2.º do Art. 215 da Constituição Federal, que dispõe sobre a fixação de datas comemorativas de alta significação para os segmentos étnicos nacionais. Afirma a Constituição Federal que “o Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.” O projeto de lei também baseia-se pela Convenção para Salvaguarda do Patrimônio Imaterial em 2003, da UNESCO, na qual se reconhece “a profunda interdependência entre patrimônio cultural imaterial e o patrimônio material cultural e natural.”

Fonte: Representação Central Ucraniano Brasileira – www.rcub.com.br

LEI Nº 12.209, DE 19 DE JANEIRO DE 2010.

Institui o dia 24 de agosto como o Dia Nacional da Comunidade Ucraniana, com fundamento no § 2o do art. 215 da Constituição Federal. 

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 

Art. 1o  É instituído o dia 24 de agosto como Dia Nacional da Comunidade Ucraniana, passando a integrar o calendário oficial da República Federativa do Brasil. 

Art. 2o  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 

Brasília, 19 de janeiro de 2010; 189o da Independência e 122o da República. 

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Início de Ano da Comunidade Ucraniana

Comunidade ucraniana do Barreiros, União da Vitória-PR

No dia 06 de janeiro, para os ucranianos católicos é celebrada a festa da Epifania, com a realização da bênção da água. Cada família leva um pouco de água benta para casa, para o que o padre a utilize durante as visitas para as benções dos lares em Janeiro e Fevereiro, tradicional costume da comunidade ucraniana.

Pe. Josafat Roiko na celebração da bênção da água.

Já para os ucranianos cristãos ortodoxos, que seguem o calendário juliano, o Natal foi celebrado no dia 07 de janeiro, seguindo posteriormente também a festa da Epifania.

Em todas as igrejas ucranianas da região se percebe um grande movimento das pessoas em busca da água benta, que levam para suas casas e a mantém durante o ano, até o próximo ano.

As fotografias mostram momentos da bênção da água na comunidade ucraniana do Barreiros, uma das antigas e marcantes igrejas em madeira da nossa região.

Vilson José Kotviski – vilson@pessanka.com.br

Porto União-SC / União da Vitória-PR

O Festival Nacional de Danças Ucranianas: uma análise necessária (ou desnecessária?)

O Festival Nacional de Danças é sem dúvida o grande momento da comunidade ucraniana no Brasil, onde cultura é demonstrada de forma muito bela através da dança folclórica. Desde que a idéia de reunir os grupos foi lançada pela AJUB – Associação da Juventude Ucraíno-Brasileira, na época sediada em União da Vitória-PR, já aconteceram 16 edições. Até a oitava edição, o evento se chamava “Festival de Hopak”, mas acabou saturando, pelo fato de todos os grupos apresentarem o mesmo estilo de dança. Então a partir da nona edição, foi colocada como regra que somente o grupo sede poderia apresentar o previt e o hopak, e os demais grupos deveriam apresentar números distintos, explorando toda a riqueza das regiões e do folclore ucraniano. Essa mudança foi para o bem! Muitos grupos evoluíram com isso, passaram a pesquisar mais, desenvolver novos trajes e coreografias, tudo isso enriqueceu muito o evento. Agora após mais oito anos, precisamos de um novo combustível para o festival. Nas conversas de bastidores percebemos uma certa insatisfação entre os dirigentes, e que precisamos de mudanças.

Vamos analisar primeiro o Festival em Maringá. Acredito que a comunidade local se esforçou ao máximo, fez o que pode e é louvável a coragem de assumir o evento. Porém precisamos ser críticos e procurar melhorar os pontos negativos. Por exemplo, os alojamentos não estavam em condições adequadas, com salas sujas, chuveiros insuficientes, falta de papel nos banheiros, e principalmente falta de um responsável do evento para dar assistência aos grupos no alojamento. Outro ponto crítico que deve ter uma atenção especial é em relação aos discursos. Se forem imprescindíveis, que estes sejam breves. Também é inaceitável permitir discursos após o evento ter iniciado, pois o que ocorreu em Maringá foi um balde de água fria no público e nos próximos grupos a se apresentarem. Também realizar intervalo no meio do evento é desnecessário, pois já tradicionalmente a duração é longa, sendo necessário agilizar as coisas. Algumas decisões acabam afetando muito as coisas, o fato dos dirigentes comparecerem e não ser realizada a reunião no horário previsto acabou de forma desastrosa. Havia muita coisa a ser dita, a maioria do pessoal estava ávido por colocar seus pontos de vista na reunião, mas por fim a mesma nem chegou a acontecer. O Barvinok já tinha confirmado anteriormente para o festival do ano que vem e o festival de 2011 já tem pretendentes, mas isso só será definido para frente.

Esses são fatos específicos do último festival, que no geral foi um bom evento, a estrutura do teatro foi fantástica e a primeira participação de um grupo vindo diretamente da Ucrânia abrilhantou muito o espetáculo! Os grupos onde se esperam bons números cumpriram seu papel! O grupo estreante foi bem, mas teve grupo muito desorientado também. Todos são amadores, mas devem ter o máximo cuidado para fazer o melhor possível, ninguém sabe tudo, mas tem muita gente disposta a ajudar. O Verkovena é um belo exemplo de boa vontade em pesquisar, solicitar apoio e apresentar ótimos resultados em pouco tempo de vida.

Agora voltando a analise geral dos Festivais, considero que precisamos implantar algo novo, que traga mais ânimo para os grupos se esforçarem para o evento, que como todos sabem custa caro aos caixas das entidades. Colocando uma sugestão de um festival competitivo, mas analisando a fundo, acredito que seria um tipo no pé, mas podemos pensar em uma avaliação de cada grupo, onde ninguém sai vencedor mas que leva para casa sugestões para melhorar e desenvolver. Poderia ser composto um júri específico para colocar observações para os grupos, composto de pessoas com conhecimento de dança, de arte, de cultura e especificamente de folclore ucraniano. Participei de um evento de dança como jurado e achei muito interessante a idéia! Fica como sugestão para o próximo organizador e também para a AJUB , que sempre foi a entidade de referência dos festivais. A organização de uma entidade para organizar os festivais, não aconteceu… talvez para frente possa vir a existir independente ou mesmo integrando e fortalecendo a AJUB. Minha opinião é de que devemos nos preocupar com o Festival e procurar melhorar a cada ano. Quem acha que está tudo bem, que acha desnecessário analisar este que é o mais belo evento da nossa comunidade, que fique omisso (como sempre).

Vilson José Kotviski – vilson@pessanka.com.br

Presidente Folclore Ucraniano Kalena/Clube Ucraniano, Diretor Associação dos Amigos da Praça da Ucrânia, Diretor Cultural Comissão Administrativa Paróquia São Basílio Magno, 4º Vice-presidente Representação Central Ucraniano-Brasileira

Comemorações dos 120 Anos da Imigração Ucraniana

No último sábado foi realizada uma reunião em Prudentópolis-PR referente às comemorações dos 120 anos da imigração ucraniana para o Brasil e também dos 20 anos da Independência da Ucrânia, contando com a presença de importantes lideranças da nossa comunidade.
A idéia é que se crie uma grande movimentação em torno deste importante marco, e para tanto, a Representação Central Ucraniano-Brasileira vem mobilizando as lideranças para que toda a comunidade se envolva neste projeto.
Várias sugestões já estão na pauta do projeto e no próximo ano serão efetuados todos os preparativos para que os 120 anos da imigração evidencie a contribuição dos ucranianos para o desenvolvimento do Brasil.
Vilson José Kotviski
vilson@pessanka.com.br

Música Ucraniana no Brasil

Sábado passado estive em um casamento de um amigo e ele fez questão de arranjar um grupo que tocasse músicas ucranianas, já que a família dele e grande parte dos convidados era de origem ucraniana.

A banda que animou a festa chama-se “Chaleira Preta”, um conjunto típico da região sul vestido a caráter (botas, lenço, bombachas), mas que toca músicas ucranianas em seu repertório, inclusive de autoria do dono do conjunto. Não tenho certeza, mas acho que são de Araucária-PR.

Aí lembrei-me que existem vários descendentes que desenvolvem trabalhos em relação à música, como por exemplo o Grupo Yávir de Curitiba, com dois ótimos CDs gravados. Não sei se eles estão realizando apresentações atualmente, mas pela falta de notícias acredito que não.

Ainda em Curitiba, vinculado a SUBRAS, atua o conjunto Soloveyko, formado por integrantes do Barvinok, animam festas da sociedade, e tocaram no Festival de Danças em União da Vitória. Felipe Orestem vem desempenhando um papel muito importante neste conjunto.

Também junto a SUBRAS, funciona (e muito  bem) o Coral Haydamake, que sob o comando de Lauro Preima, vem realizando um trabalho digno de orgulho de toda a comunidade ucraniana.

Em Curitiba também existe o coral da Catedral São João Batista, e a capela de banduristas Fialka. A Bandura é o instrumento nacional ucraniano.

Prudentópolis-PR também tem sua representação na música ucraniana, com uma capela de banduristas, Coral São João Batista e com o Samuka e seu conjunto. Ele integrava antigamente o conjunto ucraniano “Os Pepenkes”, agora foi para carreira solo e o CD está bem disseminado pela comunidade, infelizmente nem sempre o original, assim como acontece com o Yávir.

Apresentação em União da Vitória.
Camila Lupepsa Latyki: apresentação em União da Vitória-PR.

Também de Prudentópolis temos uma cantora com uma presença de palco fantástica: Camila Lupepsa Latyki. Ela é integrante do Grupo Folclórico Vesselka e interpreta músicas ucranianas com uma graça e elegância que encantam o público. Que esta jovem continue em frente!

Em Mallet-PR, existe um conjunto gauchesco (Edinho Basniak), que toca músicas ucranianas, inclusive tocaram no Festival de Danças em Rio Azul, e animam festas pela região. De Canoas-RS também despontou recentemente um belo conjunto musical, o “Dunay”, comandado pelo amigo Jonatan Vianna. Mas infelizmente  o grupo está sem atividade no momento. Em Ivaí-PR também o Mário Churka (violino) segue seu trabalho de resgate das cantigas da hahylkas, trabalho digno de louvor pelo que a pesquisa representa. E em São Paulo, o Grupo Folclórico Kyiv conta com sua banda que toca ao vivo nas apresentações.

Ainda existiram outros tantos descendentes que desenvolveram trabalhos com músicas ucranianas em solo brasileiro, mas que hoje não se tem notícias. Mas com essa quantidade já seria até possível realizar um festival de músicas ucranianas no Brasil, quem sabe essa idéia ainda pode vir se tornar realidade!

Agradeço comentários que informem mais sobre outros grupos musicais ucranianos no Brasil.

Vilson José Kotviski

Para você que leu esse artigo, e se interessa pela música ucraniana, acesse também: http://pessanka.wordpress.com/2010/12/20/1%c2%ba-festival-da-musica-ucraniana-no-brasil/.