Oficina de Pêssanka na Serra do Tigre – Mallet-PR – Igreja de São Miguel Arcanjo

Oficina de Pêssanka – Serra do Tigre

As atividades do projeto “Pêssanka – ovos escritos, expressão da cultura ucraniana no Brasil” foram para a Colônia Serra do Tigre no interior de Mallet no último fim de semana (dias 04 e 05/08/12).

Em uma turma cuja grande maioria era de jovens, foi grande o empenho e interesse dos mesmos para arte. O jovem Metódio afirmou que está fazendo um trabalho sobre pêssankas para o centenário do município de Mallet, e de sábado para domingo providenciou uma pasta de estudos com muitos modelos e informações sobre a arte da pêssanka, iniciativa muito útil inclusive para os demais alunos.

Seguindo o exemplo das outras comunidades já atendidas pelo projeto, os participantes já se organizaram para continuarem a fazer pêssankas, se reunindo mensalmente para isso.

A próxima atividade acontece na Colônia Marco 5, que ostenta também uma das igrejas centenárias de madeira existentes na comunidade.

Palestra Sobre Turismo na Serra do Tigre

Também no fim de semana foi realizada a palestra sobre turismo receptivo na Serra do Tigre. Nas conversas, foi percebido que o turismo é uma realidade nesta comunidade, principalmente após a recente restauração executada, o que atraiu ainda mais a atenção sobre a igreja que é a principal e maior referência da imigração ucraniana no Brasil.

Porém foi percebido que essa visitação não tem sido benéfica para a comunidade, já que não existe um preparo para receber os visitantes, nem organização neste sentido. As pessoas da comunidade precisam largar seus afazeres cotidianos, trabalho, família e ficar à disposição dos visitantes sem nenhum retorno.

As sugestões que Daniel Sliwinski proferiu em sua palestra, a qual recebeu grande quantidade de ouvintes, foi no sentido de aproveitar a arte da pêssanka como geração de riqueza, sendo necessária a continuidade, e também de que em qualquer ponto turístico, a visitação deve ser organizada e cobrada, para que o turismo traga benefício para a comunidade. Também a existência das águas sulfurosas do Hotel Dorizzon, a qual atrai turistas do Brasil deve ser uma aliada para que a comunidade se beneficie com essa atividade, já que podem ser oferecidos produtos típicos, artesanato e principalmente uma imersão na cultura ucraniana presente neste local.

Vilson José Kotviski