Kalena volta às atividades.

Kalena Volta as Atividades
O Folclore Ucraniano Kalena retorna às suas atividades no próximo fim de semana, depois do tradicional período de férias.
O ano de 2011 foi muito produtivo, com apresentações em cidades como Florianópolis, Capinzal, Caçador, Rodeio e Cascavel, além da realização do 1º Festival da Música Ucraniana no Brasil, e a abertura do Clube e também da comunidade para as atividades de turismo receptivo.
E já para o início de março o grupo terá mais uma recepção de turistas, que vem conhecer os atrativos de nossas cidades, entre os quais se destaca a cultura ucraniana.
Para os interessados em participar das atividades da entidade, informamos que o grupo é aberto à todas as pessoas, independente de suas origens étnicas. Os pais interessados em matricular os filhos para o grupo infantil, ou mesmo jovens que se interessem em ingressar no grupo adulto, podem entrar em contato conosco.
Inclusive são oferecidas aulas de música no Clube Ucraniano, com o professor Samir, todos que tiverem interesse podem entrar em contato pelo telefone: (42) 3523 10 53 (com) / (42) 8801 64 42 (Marcelo).

QUANDO A BANDURA TOCA O SOL DE CADA UM Por Bel Vieira, sobre o filme IVÁN – DE VOLTA PARA O PASSADO.

http://emlourdes.com.br/noticia/quando-a-bandura-toca-o-sol-de-cada-um

QUANDO A BANDURA TOCA O SOL DE CADA UM
Por Bel Vieira, sobre o filme IVÁN – DE VOLTA PARA O PASSADO.

O tema central da 15ª Mostra de Cinema de Tiradentes abarca a questão do ator em expansão – movimento característico da nova geração do cinema brasileiro.  Ícones do cinema nacional contemporâneo – como o homenageado da mostra Selton Mello, ou Matheus Nachtergaele, Lázaro Ramos, Wagner Moura, dentre outros – inauguram a interpretação cinematográfica para além da simples atuação. Movimento influenciado pelos ideais da Nouvelle Vague, e que no Brasil, pode ser visto também como uma apropriação positiva do star system devido ao sucesso destes atores na dramaturgia televisiva nacional.  Menos limitados à escolha de projetos que atendam as necessidades financeiras, eles se permitem produzir junto aquilo que lhes causa como sujeito, podendo mais do que atuar, ao incluírem sua participação na pesquisa e na criação.

Diante desta proposta, nada mais cabível que o documentário Iván – de volta para o passado, de Guto Pasko, exibido na programação Cine Praça. Este retrata a história de Iván Boiko, ucraniano arrancado de sua aldeia natal pelos nazistas e refugiado no Brasil há sessenta e três anos, sem ter contato com seus familiares. Este personagem real é presenteado pelo diretor e a equipe com passagens áreas que o transportam para suas origens. E, é esta a história que assistimos: a do homem que se arrisca em voltar.

Se a mostra propõe que o ator expanda sobre a atuação, ao se envolver com a pesquisa e criação do personagem e da obra como um todo, arriscando uma interpretação cada vez mais próxima de uma experiência real, Iván nos presenteia com esta ideia em uma bandeja de ouro – assim como a verdade deve ser dada. As cenas deste filme nada mais são que a história do reencontro de Iván com seu passado, que passa pela rememoração das esquinas da cidade, da igreja da aldeia, da música cantada pela bandura, da vodka, da família, da sua casa e dos girassóis. Cada frame fotografa a emoção de noventa anos de existência capturada dos poros de Ivan à lente de Pasko.

O resgate cultural proporcionado pela viagem aborda o social que colabora para que o exílio de Iván seja tão peculiar. Sem dúvida, o retorno ao seu país provoca intensas emoções. Mas a tela não esconde o quanto de visceral e de verdade existe nas imagens em que Iván entra na casa em que viveu a infância e a adolescência. Ele beija o chão desta casa e clama pelo nome de seu pai. Sem dúvida este documentário fala de uma cultura, mas algo avança sobre isto, pois qualquer indivíduo, de qualquer outra cultura, pode ser intimamente tocado pelo filme. Talvez porque a única diferença entre país e pais seja apenas o acento, uma vez que ambos falam de origens.

Iván aceita o convite audacioso de Guto. Como um girassol, arrisca olhar para o sol, gira ao redor de sua estrela central, ou, de suas origens. Esta intrigante rotação caminha no mesmo trilho de raízes tão profundas, como as dos girassóis. A inflorescência do girassol é do tipo capítulo, significante da biologia que, quando transportado ao universo literário, significa parte constituinte de uma obra escrita. O que permite que o imaginário de Iván se mescle com o imaginário do público, é a ideia deste capítulo que resgata as origens. Não é fácil ser girassol! Mesmo que a necessidade desta energia que se busca seja vital, olhar em constância pro sol pode provocar dor. Assim como se confrontar com o primitivo das origens individuais. Mas Iván, com a sabedoria e ansiedade madura que os de corpo longamente vivido nos ensinam, empresta sua própria experiência com a memória para que o público possa pelo menos fazer refletir seus próprios girassois.

Bel Vieira

Atriz e Psicanalista

XXXIX Congresso da Juventude Ucraíno-Brasileira – Prudentópolis-PR

A juventude ucraniana da Paróquia São Josafat  (Prudentópolis-PR) realiza nos próximos dias 04 e 05 de fevereiro, o 39º Congresso da Juventude Ucraíno-Brasileira.

O tema deste ano será “Jovem Líder”, visando trabalhar a importância da liderança jovem, sob a luz das conquistas do passado, assumindo o presente com os desafios que se apresentam, para construir um futuro promissor de todas as comunidades ucranianas.

Segundo os organizadores, o objetivo é atrair os jovens líderes de cada comunidade, para que aconteçam trocas de ideias e experiências para o trabalho efetivo em suas sedes de atuação.

Este é sempre um grande momento para a Comunidade Ucraniana e desejamos que o evento tenha pleno êxito para o fortalecimento das atividades culturais e religiosas durante o ano que inicia. É o momento da impulsão para o início das atividades e que os jovens aproveitem bem essa oportunidade!

 

Obs.: Prudentópolis recebe este ano também o 2º Festival da Música Ucraniana no Brasil, em breve maiores informações!!

Nova Galícia (Porto União-SC) – Bênção da Água e Festa

Igreja de São Nicolau na comunidade ucraniana de Nova Galícia - Porto União-SC

No interior de Porto União, na colônia de Nova Galícia (uma das mais antigas comunidades ucranianas no Brasil), foi realizada a Benção da Água e uma grande festa popular no último domingo, dia 15/01/12.

Com muita simplicidade as pessoas tiveram um domingo tranquilo em meio à natureza e conversas animadas entre os amigos e parentes. Hoje poucas famílias ucranianas ainda residem nos arredores, mas diversas pessoas cujas origens são deste local prestigiaram o evento.

A comunidade de Nova Galícia surgiu em 1908, com a construção da Estrada de Ferro, sendo formada por migrantes provenientes de Jangada, Mallet e  Dorizon. O nome de “Nova Galícia” seu deu pelo motivo dos pioneiros acharem a localidade semelhante à Haletchená (Galícia Oriental na Ucrânia). A localidade já foi distrito do município de Porto União, progressista e muito numeroso, tendo inclusive recebido a visita do ex-presidente americano Theodore Roosevelt, na época da exploração da madeira.

A primeira igreja construída deu-se no ano de 1908. A segunda igreja deu-se no ano de 1912, ambas em madeira. A 3ª e atual igreja, em alvenaria, foi inaugurada em 1997, infelizmente perdendo muito das suas características originais. Internamente foi mantido o Iconostás, e as pinturas foram realizadas pelo artista ucraniano Wolodymyr Borodime, resgatando a identidade cultural da comunidade.