O Festival Nacional de Danças Ucranianas: uma análise necessária (ou desnecessária?)

O Festival Nacional de Danças é sem dúvida o grande momento da comunidade ucraniana no Brasil, onde cultura é demonstrada de forma muito bela através da dança folclórica. Desde que a idéia de reunir os grupos foi lançada pela AJUB – Associação da Juventude Ucraíno-Brasileira, na época sediada em União da Vitória-PR, já aconteceram 16 edições. Até a oitava edição, o evento se chamava “Festival de Hopak”, mas acabou saturando, pelo fato de todos os grupos apresentarem o mesmo estilo de dança. Então a partir da nona edição, foi colocada como regra que somente o grupo sede poderia apresentar o previt e o hopak, e os demais grupos deveriam apresentar números distintos, explorando toda a riqueza das regiões e do folclore ucraniano. Essa mudança foi para o bem! Muitos grupos evoluíram com isso, passaram a pesquisar mais, desenvolver novos trajes e coreografias, tudo isso enriqueceu muito o evento. Agora após mais oito anos, precisamos de um novo combustível para o festival. Nas conversas de bastidores percebemos uma certa insatisfação entre os dirigentes, e que precisamos de mudanças.

Vamos analisar primeiro o Festival em Maringá. Acredito que a comunidade local se esforçou ao máximo, fez o que pode e é louvável a coragem de assumir o evento. Porém precisamos ser críticos e procurar melhorar os pontos negativos. Por exemplo, os alojamentos não estavam em condições adequadas, com salas sujas, chuveiros insuficientes, falta de papel nos banheiros, e principalmente falta de um responsável do evento para dar assistência aos grupos no alojamento. Outro ponto crítico que deve ter uma atenção especial é em relação aos discursos. Se forem imprescindíveis, que estes sejam breves. Também é inaceitável permitir discursos após o evento ter iniciado, pois o que ocorreu em Maringá foi um balde de água fria no público e nos próximos grupos a se apresentarem. Também realizar intervalo no meio do evento é desnecessário, pois já tradicionalmente a duração é longa, sendo necessário agilizar as coisas. Algumas decisões acabam afetando muito as coisas, o fato dos dirigentes comparecerem e não ser realizada a reunião no horário previsto acabou de forma desastrosa. Havia muita coisa a ser dita, a maioria do pessoal estava ávido por colocar seus pontos de vista na reunião, mas por fim a mesma nem chegou a acontecer. O Barvinok já tinha confirmado anteriormente para o festival do ano que vem e o festival de 2011 já tem pretendentes, mas isso só será definido para frente.

Esses são fatos específicos do último festival, que no geral foi um bom evento, a estrutura do teatro foi fantástica e a primeira participação de um grupo vindo diretamente da Ucrânia abrilhantou muito o espetáculo! Os grupos onde se esperam bons números cumpriram seu papel! O grupo estreante foi bem, mas teve grupo muito desorientado também. Todos são amadores, mas devem ter o máximo cuidado para fazer o melhor possível, ninguém sabe tudo, mas tem muita gente disposta a ajudar. O Verkovena é um belo exemplo de boa vontade em pesquisar, solicitar apoio e apresentar ótimos resultados em pouco tempo de vida.

Agora voltando a analise geral dos Festivais, considero que precisamos implantar algo novo, que traga mais ânimo para os grupos se esforçarem para o evento, que como todos sabem custa caro aos caixas das entidades. Colocando uma sugestão de um festival competitivo, mas analisando a fundo, acredito que seria um tipo no pé, mas podemos pensar em uma avaliação de cada grupo, onde ninguém sai vencedor mas que leva para casa sugestões para melhorar e desenvolver. Poderia ser composto um júri específico para colocar observações para os grupos, composto de pessoas com conhecimento de dança, de arte, de cultura e especificamente de folclore ucraniano. Participei de um evento de dança como jurado e achei muito interessante a idéia! Fica como sugestão para o próximo organizador e também para a AJUB , que sempre foi a entidade de referência dos festivais. A organização de uma entidade para organizar os festivais, não aconteceu… talvez para frente possa vir a existir independente ou mesmo integrando e fortalecendo a AJUB. Minha opinião é de que devemos nos preocupar com o Festival e procurar melhorar a cada ano. Quem acha que está tudo bem, que acha desnecessário analisar este que é o mais belo evento da nossa comunidade, que fique omisso (como sempre).

Vilson José Kotviski – vilson@pessanka.com.br

Presidente Folclore Ucraniano Kalena/Clube Ucraniano, Diretor Associação dos Amigos da Praça da Ucrânia, Diretor Cultural Comissão Administrativa Paróquia São Basílio Magno, 4º Vice-presidente Representação Central Ucraniano-Brasileira

2 pensamentos em “O Festival Nacional de Danças Ucranianas: uma análise necessária (ou desnecessária?)”

  1. Olá! Também acho que os festivais devem ser melhor organizados, na questão de tempo e protocolos… Realmente é um custo alto para os grupo. Mas sou totalmente contra a idéia de competição, nenhum grupo do Brasil dança profissionalmente e sim por amor a cultura ucraniana, por isso não vejo vantagem em competir entre si por uma coisa que todos fazem com um único objetivo. E para “avaliar” já existe a reunião dos diretores que também deveria ser organizada com antecedência.

  2. Parar o Festival após a primeira dança para começar os blá blá blá é coisa absurda.
    Parece que o que vai se falar é mais importante que o evento.
    Por favor, cade o bom senso ???

Os comentários estão desativados.